Print This Page

Pastoral do Dízimo

A Bíblia pede estes dez por cento. Deus exige com firmeza esta doação para a comunidade. A Igreja Católica, no Brasil, vendo as necessidades do povo, pede que cada um dê de acordo com seu coração, de acordo com sua consciência. Quem pode dar os dez por cento, deve dar. Quem vai sentir falta, que dê menos. Por princípio, deve-se dar os 10 por cento.

Dízimo não é pagamento. Não é imposto. Não é taxa. É gesto livre de gratidão. Não é esmola. Nem oferta. Dízimo é ato de fé em Deus e de confiança na Comunidade.

I. Quem inventou o dízimo?

O coração dos filhos de Deus. Foi a gratidão dos irmãos para com Deus Pai que inventou o dízimo. Já faz 3 mil anos e Deus sempre aprecia e ama a quem dá seu dízimo com alegria.

II. Mas Deus precisa do dízimo?

Não. Deus não, mas os irmãos, a comunidade, sim. Irmãos que se amam se ajudam. O dízimo cria família. Cria confiança. Cria crescimento, tanto da família que o dá, como da comunidade que o recebe.

 III. Eu tenho o compromisso de dar o dízimo?

Sim. O dízimo é um compromisso com Deus, com a Igreja e com os pobres.

 IV. Não basta dar o que sobra?

Não. Dízimo é partilha do que se tem, não das sobras. Partilhar não é o que sobra. Partilhar é dar o que o outro precisa.

 V. Por que as pessoas inventaram o dízimo e o colocaram na Bíblia?

O dízimo foi o jeito que as pessoas encontraram para agradecer ao Senhor e para se ajudarem entre si. Deus inspirou esta idéia. Tanto no Antigo como no Novo Testamento o dízimo é parte da Bíblia. É gesto de gratidão do povo a seu Deus.

 VI. O dízimo salva a gente?

Não. Não salva. Não é o dinheiro que salva. Nem nossas obras: quem nos salva é o amor de Deus. Nem os santos nos salvam. Nem Nossa Senhora: só Deus salva. E quer salvar a todos. Mas.., o dízimo me leva mais perto de Deus, porque me leva para a comunidade. Dízimo é um meio. E não devemos abandonar os meios que nos fazem mais irmãos e nos conduzem mais a Deus.

 VII. Faz diferença pagar ou dar o dízimo?

Dízimo não se paga. Deus não negocia. Dízimo se dá. Pagar indica obrigação, lei, imposto. Dar é gesto espontâneo. Dízimo é partilha gratuita. Existe diferença entre as pessoas que dão e que não dão dízimo.Quem dá se engrandece. O dízimo engrandece nosso ser. Nos abre a Deus e aos irmãos. O dízimo é nossa devoção, — uma devoção —para Deus. Dízimo é compromisso santo: quem reconhece, quem agradece, se engrandece.

 

VIII. O que eu ganho dando o dízimo?

Não se deve dar o dízimo por causa do retorno. Deus também nos dá tanta coisa e qual o retorno que ele recebe? — Com o dízimo eu aprendo a ser generoso, a ser sincero e reconhecido com o Senhor de tudo. Eu retribuo um pouco a Deus, do muito que ele me dá. Só isto. De outro lado, a Igreja me prestará serviços religiosos, quando eu precisar. Mas o importante é ser generoso, não mesquinho, nem com os irmãos nem com Deus.

O próprio dízimo pertence a Deus. Deus é dono de tudo, cem por cento é de Deus e dele tudo nos vem. Eu apenas lhe agradeço, devolvendo-lhe algo por cento. — É como se minha mãe me desse um grande bolo, cada dia, e eu retiro uma parte do bolo para ela dar a meus irmãos.

IX. É melhor dar muito dízimo sem boa vontade, ou é melhor dar pouco com boa vontade?

O melhor é dar o certo e de boa vontade. Não se deve dar a Deus e aos irmãos o que sobra: o troco de mercado, as migalhas. Deus não pede o resto, nem esmola. O justo é dar o certo.

 X. Quem está dispensado de dar o dízimo?

Ninguém está dispensado.A Bíblia fala que todos devemos reconhecer as graças de Deus. Cada um deve dar de acordo com suas possibilidades. Deus elogiou a oferta da pobre viúva. Deve ter sido bem pequena. E não aprovou a oferta dos ricos que faziam a doação só para se mostrar. Como bom exemplo, até o Padre, os Ministros, os Agentes de Pastoral, as irmãs, as Empresas, o Bispo… todos deveriam dar seu dízimo.

 XI. E se a pessoa é bem pobre?

Uma das finalidades do dízimo é a promoção social, e neste caso a comunidade deve ajudar ao “bem pobre”.

 XII. E não dá para dar o dízimo em forma de serviços ou ofertas?

Pra dar, dá. Mas, ser sincero também neste ponto. Deve-se combinar bem com a Equipe do Dízimo. Pode também ser em doações. Só que a Bíblia fala claro: mesmo dando um animal para o sacrifício, mesmo assim a família não está dispensada do dízimo. O dízimo, na Bíblia, é sagrado e não se negocia com nada.     Por isto, as coletas na Missa não dispensam o dízimo.

A Bíblia é bem clara: quem pode dar dez por cento, deve dá-lo. Quem pode dar 10% não deve dar Oito por cento. Quem pode dar 5 por cento não deve dar 2 ou 3 por cento. A Igreja no Brasil pede pelo menos um por cento (centésimo). Mas, quem pode dar mais, deve dá-lo.

 XIII. O que dificulta, o que derruba o dízimo na comunidade?

Derrubam o dízimo: a diretoria que não presta contas; Equipe que só pensa em dinheiro e só faz coisas quando dão lucro; quando se valoriza só quem dá o dízimo; quando os pobres não têm vez e voz; quando se formam “panelinhas”; o povo não colabora com o dízimo quando o Padre e a diretoria não se dão bem; quando não há clareza sobre os gastos do carro paroquial, dos salários aos funcionários; cai o dízimo quando ele é usado só para fins materiais… Baixa o dízimo quando se desconfia da aplicação do dinheiro e falta transparência.

 XIV. O que favorece o povo a dar com alegria o dízimo?

A transparência das contas. A fidelidade na aplicação. A seriedade com que é tratado o dízimo e o respeito pelos dizimistas e os outros. O segredo sobre o que cada um dá. Cresce o dízimo quando se tem clareza que nós somos Igreja missionária.

Fonte: Livros “Dízimo- Expressão Forte de Comunidade” e “Pastoral Paroquial do Dízimo”.