Paróquia São Pedro Apóstolo - Gaspar, SC

Notícias › 01/07/2012

Missa solene e procissão encerram festa de Gaspar

Moacir Beggo

Gaspar (SC) – Bem cedo, às 7 horas, podiam se ouvir os fogos na Comunidade São Sebastião, em Gaspar, de onde saiu a procissão com a imagem do santo Padroeiro de Gaspar, São Pedro Apóstolo. O sol, ainda tímido neste domingo (01/7), já iluminava as embarcações que traziam a imagem até a Matriz, onde esperava o pároco Frei Germano Guesser, que na sequência presidiu a Missa Solene desta Festa de São Pedro.

À noite ainda haverá a última Missa da Festa, mas a celebração principal foi esta das 9 horas na bela Matriz de Gaspar. Foi uma celebração linda e muito devocional, como não se vê em grandes metrópoles. O Coral Santa Cecília e a Banda de Música São Pedro garantiram uma tradição que, felizmente, continua viva em Gaspar. É uma grandiosa festa junina que reúne no complexo de eventos da Paróquia mais de trinta mil pessoas.

Na procissão de entrada, foram apresentados os festeiros deste evento. Casais caminharam com velas acesas, enquanto o povo aplaudia reconhecendo a dedicação e a doação para que este evento pudesse se realizar novamente.

Cansado, mas sem perder sua alegria, Frei Germano presidiu a celebração tendo como concelebrante Frei José Bertoldi e o diácono Frei Clauzemir Makximovitz e professo solene Frei Róbson Scudela.

Um momento belo da celebração durante a comunhão: no coro da igreja, o Coral e a Banda tocaram e cantaram “A Barca”. Frei Germano convidou o diácono Frei Clauzemir para fazer a homilia. Ele deverá ser ordenado presbítero no início do ano que vem e ficará com Frei Róbson durante o mês de julho em estágio na Fraternidade São José de Gaspar.

Frei Clauzemir, com muita segurança, conduziu uma reflexão à altura da Missa Solene. A partir das indagações de Jesus a Pedro – “Quem dizem os homens ser o Filho do Homem?” e “E vós, quem dizeis que eu sou?” -, o pregador levou a assembleia a responder com ele estas perguntas. “Para responder essa grande pergunta, talvez palavras não sejam suficientes. É preciso que a nossa vida fale, que nossa vida testemunhe. E quando a vida fala, a gente fala de relacionamento com Deus”, disse, insistindo nas perguntas de Jesus.

Frei Clauzemir lamentou que muitas vezes recorremos ao Deus entendido como um quebra-galho, que a gente recolhe quando precisa de alguma coisa. Mas só em determinados momentos de nossa vida”, observou. Segundo ele, vamos ficando com partes, pedaços de Deus, na nossa vida. “E Deus não pode ceder uma parte para a nossa vida. O Deus da nossa fé é o Deus da nossa vida. É Deus pleno. É Deus, sim, que merece ser respeitado e temido, porque é nosso criador e por causa Dele estamos aqui hoje. Mais do que por isso é um Deus que nos inspira temor e respeito porque não consegue deixar de amarmos. É Deus todo amoroso. E quem ama, cuida, quer ficar perto, não suporta distância. Quem ama quer proximidade e comunhão com Deus”, reforçou.

Segundo o pregador, se hoje  temos motivos para nos alegrarmos e fazermos festa é porque reconhecemos na alegria e na festa a possibilidade de encontro com Deus. Se temos forças para continuar lutando, dia a dia de nossa de nossa existência, enfrentando o cansaço de nosso trabalho, o trânsito, e ainda temos forças para doar o nosso tempo para a essa festa tão bonita, é porque reconhecemos em cada um desses momentos oportunidades de encontro com Deus. É desse encontro que Pedro dá testemunho hoje”, acrescentou Frei Clauzemir.

Para o frade, o encontro com Deus é uma experiência diária e é para a vida toda. “Se somos cristãos, e hoje estamos verdadeiramente reunidos em seu nome, é porque reconhecemos em todos os momentos da vida, a sua ação e a sua presença”.

E finalizou: “Tu és rocha porque amas. Porque amas, cuidas. Sobre essa rocha está construída a nossa fé e a nossa Igreja. Essa é a pedra fundamental da nossa fé. Saber que Deus se importa com cada um de nós. Saber que tem sentido nos dirigirmos a Ele como filhos que se dirigem ao Pai. Porque sem isso não construímos Igreja; sem isso não somos comunidade de fé”, finalizou.

No final da celebração, Frei Germano não poupou agradecimento a todos que trabalharam nesta 162ª edição da Festa, mas agradeceu o coordenador do CPC,  Clarindo Francisco Fantoni especialmente, a quem chamou carinhosamente de “um trator”. E também já foram apresentados os casais que serão os festeiros do próximo ano. Nem bem terminou esta festa e eles já começaram a se preparar para os festejos de 2013.

[nggallery id=10]

[nggallery id=11]

X