Destaque 2, Notícias › 02/12/2014

Print This Post

Frei Paulijacson celebra a Primeira Missa em São Miguel

alto

Moacir Beggo

São Miguel (RN) – Na abertura do ano litúrgico, primeiro domingo do Advento, Frei Paulijacson Pessoa de Moura, ordenado presbítero no sábado, dia 29 (VEJA COMO FOI), celebrou a Primeira Missa na Matriz de São Miguel, em São Miguel (RN). Esse momento de graça foi vivido intensamente pela comunidade, que lotou a Matriz no domingo, 30 de novembro, às 10 horas.

Frei Paulo, como é conhecido, teve como concelebrantes Frei Germano Guesser, Definidor e representante da Província Franciscana da Imaculada Conceição, Pe. Valdeci Donato da Silva, pároco de São Miguel, o diácono Frei Sérgio Silas Damasceno. Além de seus confrades, que vieram preparar o Tríduo para esta ordenação, participaram desta Missa sacerdotes da Diocese, seminaristas, religiosos e religiosas.

consagraO religioso da Congregação dos Rogacionistas, Ir. Célio Leite da Silva, foi escolhido por Frei Paulijacson para fazer a homilia de sua primeira Missa, como é costume na Província. Segundo o religioso, quando morava em Brasília como aspirante ainda da Congregação dos Servos da Caridade, ao fazer uma visita a São Miguel, conheceu Frei Paulo e se tornaram amigos. A partir deste contato, Frei Paulo começou a participar das pastorais da Paróquia de São Miguel e logo fazia parte do grupo vocacional. No seu discernimento vocacional, Frei Paulo teve um primeiro contato com os religiosos da Sagrada Face, mas depois de um ano pediu um tempo para amadurecer a sua decisão. Foi quando decidiu, em 2003, morar em São Paulo com sua irmã. Ali, acabou conhecendo os franciscanos da Província da Imaculada Conceição.

O pregador voltou a lembrar do tema escolhido por Frei Paulo para a sua ordenação, tirado da parábola do bom samaritano, e refletiu sobre o Evangelho da vigilância deste primeiro domingo do Advento. “Ser vigilante é se comprometer com as chagas dos sofredores. O sacerdote é chamado a curar, a ser bálsamo para a comunidade, para povo de Deus, ferido, machucado, às vezes até por nós, que somos Igreja. Ser vigilante é ser amoroso e ter esse coração compadecido, amoroso, tenro, assim como você sempre foi”, disse o religioso, ao contar duas histórias para mostrar que esse sentimento de compaixão sempre acompanhou Frei Paulo. “Já estava plantado aí no seu coração”, disse. “Em 2000, você e sua mãe, dona Elisabeth, andando pelo sítio de Umbaúba, ficaram sabendo de uma senhora que estava abandonada pela família. Ela vivia descuidada, abandonada e ferida. Nós três fomos até sua casa, que ficava numa grota, com grandes ladeiras, tanto que o carro não chegava lá. Aí, colocamos a senhora numa rede, amarramos a rede em uma madeira, colocamos no ombro e a trouxemos para São Miguel. A primeira ação foi banhá-la, alimentá-la e curá-la. Em seguida, você e sua mãe foram atrás da aposentadoria dela. Alugou-se uma casa e essa senhora passou a ser cuidada”, contou Ir. Célio.

betinho“Outro fato bonito foi quando visitamos uma família e vimos uma criança doente e a mãe depressiva, sem condições de criar a criança. Sua mãe, dona Elisabeth, trouxe a criança para São Miguel. Foi dolorido quando tivemos que separar dela. Mas ela precisava voltar para a sua mãe”, acrescentou.

“Ser vigilante é ter o coração compadecido. É promover a vida”, completou o Ir. Célio.

Um momento emocionante na celebração foi a oração de Frei Paulo para o seu pai durante as Preces. “A ausência de meu pai Francisco é apenas física, mas com certeza seu espírito está aqui com meus familiares paternos. Apesar de tantas incompreensões, coisas da vida que acontecem (separação matrimonial), ele tem um coração bom. Ele sempre esteve presente em todos os momentos de minhas orações. Não vamos julgá-lo de jeito nenhum. Só Deus conhece o coração das pessoas. Eu sou fruto da minha mãe e meu pai. Quero dizer que eu o amo muito”, disse.

Frei Paulo recebeu mais homenagens da família e da Paróquia. A celebração terminou com a encenação da linda canção “O amor não é amado”, de Frei Beraldo.

Por último, ressalto, mais uma vez, o agradecimento de coração  às famílias que nos acolheram nesses dias em São Miguel. Deus lhes pague!

Abaixo imagens da celebração e fotos oficiais com a família e o grupo de paroquianos de Gaspar que viajou até São Miguel para participar da ordenação de Frei Paulijacson.