Consumo como fonte de felicidade

Se você ama sapatos mais do que a estrada, não vale a pena caminhar

Em algum ponto do caminho de nossas vidas podemos perder completamente a perspectiva, chegando a pensar que as coisas são o fim em si. Bombardeado por uma publicidade cada vez mais intrusiva que se tornou o orador de uma sociedade que optou pelo consumismo desenfreado, é fácil pensar que os sapatos são mais importantes do que a estrada.

As 3 grandes armadilhas que nos fazem vítimas

1. Você cai no ciclo infinito das necessidades não atendidas. Se você não está feliz com o que tem, não ficará feliz com o que lhe falta, porque sempre desejará mais. O terrível mecanismo de nossa sociedade é que se dedicou a fazer consumidores, como explicou o grande economista Thorstein Veblen: “Se você puder fabricar desejos, pode tornar possível obter coisas que estão ao seu alcance, a essência da vida. De outra forma, eles ficarão presos se tornando consumidores“. Quando buscamos a felicidade nas coisas, torna-se elusivo porque caímos na armadilha de novas necessidades e desejos continuamente insatisfeitos.

2. Você se torna uma vítima do estresse e sobrecarga. Se damos mais importância às coisas do que à viagem, acabamos adquirindo coisas de que não precisamos e não podemos, apenas para impressionar as pessoas que nem se importam com elas. Esse ciclo de consumo nos obriga a trabalhar mais e mais para manter um estilo de vida cada vez mais alto. Pensamos que quando chegarmos a um certo nível, finalmente nos sentiremos felizes e relaxados, mas não é esse o caso, porque há sempre um carro mais caro, uma casa maior, um computador mais potente …

3. Você se identifica com as coisas. Talvez o pior de tudo seja que, ao acreditar que a felicidade está nas coisas, acabamos nos identificando com elas. Nós nos desconectamos de nossa essência e esquecemos quem somos, deixando que nossas posses falem em nosso lugar. Na verdade, aqueles que estão obcecados em ter mais e mais é porque esqueceram quem são e querem que essas coisas os representem. Seu “eu” tornou-se tão pequeno que ele está escondido atrás das coisas, como se ele fosse um mal ator, em vez de ser o protagonista da obra de sua vida. Quando nos tornamos obcecados em possuir coisas, as coisas acabam nos possuindo. E isso é muito triste.

Como sair dessa armadilha?

O mundo criado em torno de nós é projetado para nos fazer acreditar que a felicidade está fora de nós, nas coisas. Então acabamos correndo dentro de um labirinto onde nossa própria velocidade nos confunde. Nós apenas não pensamos nisso.

De fato, a compra racional real não é aquela em que comparamos preços e características do produto, como fomos levados a acreditar, pois no final, a decisão de comprar já foi tomada por impulso e só temos que escolher entre as diferentes opções que colocam à nossa disposição. A compra racional real é aquela que passa pela questão: eu realmente preciso disso?

Para sair dessa armadilha, basta perceber, entender e sentir que podemos nos sentir felizes, plenos e satisfeitos agora, enquanto perseguimos nossos sonhos. Isso envolve separar o nosso “eu” das posses, não dando-lhes o poder de amargurar a nossa vida ao ponto de nos sobrecarregar para obtê-los.

Não me interpretem mal, precisamos de coisas e algumas também nos podem trazer satisfação. Mas não podemos esquecer que os sapatos são um acessório para percorrer a estrada, uma ajuda que nos permite ir mais longe e em melhores condições, mas o que realmente conta é o quanto desfrutamos desse caminho e da pessoa que nos tornamos enquanto o percorremos. Todo o resto é secundário.

Este curta reflete perfeitamente a armadilha na qual estamos imersos.

(via Pensar contemporâneo)